Skip to content

Deve-se acabar com a psicanálise?

Junho 8, 2011

por Janer Cristaldo

 

Foi lançado no Brasil, só agora em 2011, O Livro Negro da Psicanálise, publicado em Paris em 2005.

A antologia de ensaios denuncia a psicanálise como um embuste e Freud como um charlatão. O livro certamente fará muito ruído chez nous, afinal sempre estamos na rabeira dos grandes debates. Se a pergunta entre americanos é se deve-se ou não acabar com os doutorados, em Paris a pergunta é outra, assim enunciada pelo Nouvel Observateur: “Deve-se acabar com a psicanálise?”

Qualquer uma das duas questões ainda causa perplexidade nesta terra de papagaios. No Estadão de sábado passado, lemos entrevista com a editora franco-argelina Catherine Meyer, responsável pela antologia. Interrogada sobre se Freud era um mentiroso, a moça não tem papas na língua:

– Sim, porque ele fraudou seus resultados. Não foi o único; há outros a trapacear no meio científico. Mas você sabe como as coisas funcionam na ciência: define-se uma hipótese, mesmo que inacreditável – como Édipo e o amor de um filho pela mãe e a pedra angular de nossa vida psíquica. Eis uma hipótese! Um filho tem desejo e quer ter relações sexuais com sua mãe. É o complexo de Édipo. Quando se faz uma hipótese científica, a seguir passa-se à fase de verificação. Procede-se um percurso de pesquisa para constatar a hipótese pela sua eficiência. Quando se imagina um medicamento para a tuberculose, ele é testado em várias pessoas. A seguir, usamos a lixeira para jogar fora todas as hipóteses refutadas. O que os teóricos explicam muito bem no Livro Negro da Psicanálise é que Freud lançou hipóteses e elas nunca deixaram de ser apenas isso: hipóteses. Ele traficou a realidade para confirmar suas hipóteses.

Claro que o livro vai gerar acerbos protestos, afinal demole com o ganha-pão de não poucos vigaristas em Pindorama. Mas o debate é antigo e já tem pelo menos 40 anos. Em 1965, os cientistas americanos Edward e Cathey Pinckney publicaram The Fallacy of Freud and Psychoanalysis, traduzida em 1970 no Brasil como Psicanálise, a Mistificação do Século, pela Edigraf, que reduzia Freud à condição de vigarista. No Brasil, Silva Mello publicou, em 1967, um gordo ensaio de 536 páginas, intitulado Ilusões da Psicanálise, publicado pela Civilização Brasileira.

Escrevem os Pinckney:

– Não existe uma única prova científica em apoio de que a psicanálise – definida como Freud como uma forma de tratamento da doença mental – tenha curado alguém ou possa curar uma doença! Ao contrário, existem numerosas observações documentadas demonstrativas não apenas dos insucessos da psicanálise, mas ainda, o que é pior, das suas conseqüências prejudiciais.

– O que mais contribui para comprovar a mistificação psicanalítica é o fato de os psicanalistas se esforçarem desesperadamente para rotular de ciência o seu método de exploração, sem contudo preencher nenhum dos postulados estabelecidos e aceitos pelos cientistas de todo o mundo, os únicos capazes de permitir-lhe o reconhecimento como verdadeiramente científica.

Isto foi escrito em 1965, há 46 anos. Os autores continuam desancando Freud por mais 218 páginas.

Estes livros repercutiam denúncias anteriores da grande vigarice do século XX. A psicanálise, mal surgiu, foi violentamente contestada. Em Gog, publicado em 1932, antes da morte de Freud, Giovanni Papini via o médico vienense como um profissional fracassado com pendores literários. Incapaz para a medicina, Freud dedicou-se à ficção. Assim nasceu a psicanálise. Mr. Goggius, o personagem do escritor florentino, é um milionário americano que a certa altura de sua vida quis conhecer o mundo e sai a viajar para ouvir as maiores personalidades da política, da ciência e das letras de sua época. Na entrevista com Freud, diz o criador da psicanálise:

– Que minha cultura é essencialmente literária demonstram-no, abundantemente, as minhas contínuas citações de Goethe, Grilpazer, Heine e outros poetas. A forma de meu espírito está inclinada para o ensaio, para o paradoxo, para o dramatismo, e nada tem da rigidez pedante e técnica do verdadeiro homem de ciência. Há uma prova irrefutável: em todos os países em que a psicanálise penetrou, foi ela mais bem entendida e aplicada pelos escritores e pelos artistas do que pelos médicos. Por outro lado, meus livros se assemelham muito mais a obras de imaginação do que a tratados de patologia. Os meus estudos sobre a vida cotidiana e sobre os movimentos do espírito são verdadeira e genuína literatura, e em Totem e Tabu também me exercitei na novela histórica. O meu desejo mais antigo e tenaz seria escrever verdadeiras novelas: possuo um tesouro de material em primeira mão que faria a fortuna de cem novelistas. Mas receio que agora seja muito tarde.

– Seja como for, soube, transpondo as dificuldades, vencer o meu destino e logrei o meu sonho: continuar a ser um literato, embora com as aparências de médico. Em todos os grandes homens de ciência há o sopro da fantasia, mãe das intuições geniais; mas nenhum se propôs, com eu, a traduzir em teorias científicas as inspirações da literatura moderna.

Isto escrevia Papini em 1932. Há quase oitenta anos. Antes da morte de Freud.

Ano passado, em livro que já comentei, Le crépuscule d’une idole – L’affabulation freudienne, Michel Onfray atacava o ídolo em que teria se convertido Freud e a vigarice que constitui a psicanálise. Era o que eu dizia nos anos 70. Pena que sou gaúcho e não gaulês.

No livro, publicado em 2010, o autor acusa o pai da psicanálise de ser mentiroso, fracassado e defensor de regimes totalitários. A psicanálise é comparável a uma religião e sua capacidade de curar as pessoas é semelhante a da homeopatia. Freud teria tranformado seus próprios “instintos e necessidades fisiológicas” em uma doutrina com pretensão de ser universal. Mas, para Onfray, a psicanálise seria “uma disciplina verdadeira e justa no que diz respeito a Freud e ninguém mais”.

Freud fracassou na cura de pacientes que ele mesmo atendeu, mas ocultou ou alterou suas histórias clínicas para dar a impressão de que o tratamento havia sido bem sucedido. Ele afirma, por exemplo, que Sergei Konstantinovitch, indicado por Freud como “o homem dos lobos”, continuou fazendo psicanálise mais de meio século depois de ter sido supostamente curado por Freud. E diz que Bertha Pappenheim, conhecida como “Anna O.” e apresentada por Freud como um caso em que o tratamento contra histeria e alucinações funcionou, continuou tendo recaídas.

“A psicanálise cura tanto quanto a homeopatia, o magnetismo, a radiestesia, a massagem do arco do pé ou o exorcismo feito por um sacerdote, quanto uma oração diante da gruta de Lourdes”, afirmou Onfray, em debate promovido pelo Nouvel Observateur. “Sabemos que o efeito do placebo constitui 30% da cura de um medicamento”, acrescentou. “Por que a psicanálise escaparia desta lógica?”

Nada de novo sob o sol.

 

FONTE.

Anúncios

From → Uncategorized

Deixe um Comentário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: